Dia do consumidor: o Brasil vai surfar a onda do crescimento?

 

Por Guilherme Henrique C. Silva - Redação Porta-Voz

Depois de dois anos seguidos de queda, os números do comércio varejista no Brasil voltaram a mostrar sinais de recuperação. Se em 2015 e 2016 os recuos foram de 4,3% e 6,2%, respectivamente, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 2017 terminou com alta de 2% e a sensação de que o país começa a entrar no rumo. 


Para corroborar essa avaliação, a Confederação Nacional do Comércio (CNC) divulgou, em janeiro, uma projeção de crescimento acima dos 5% para 2018. Outro número publicado no mesmo mês aponta que a combinação entre inflação mais baixa e um menor endividamento das famílias deve liberar R$ 124, 2 bilhões a mais para o consumo nesse ano.


Diante desse cenário de retomada da confiança, é importante que o Dia do Consumidor, comemorado neste dia 15 de março, sirva como estímulo para reflexão no relacionamento entre empresas/companhias e o consumidor final. A oportunidade do país para crescer novamente chegou.


Em um momento de reabilitação econômica e volta do otimismo por parte da população, é fundamental que o consumidor seja inteiramente respeitado. Promoções não podem ser enganosas, entregas devem ocorrer na data estipulada e produtos têm de funcionar como o propagandeado. Sem falhas, erros ou desonestidade.


No início de fevereiro desse ano, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) revelou que a confiança do consumidor alcançara a sexta alta consecutiva no Índice de Confiança do Consumidor (ICC), chegando em 88,8 pontos, atingindo o maior nível desde outubro de 2014, quando marcou 91,3. 


Números animadores batem à porta do varejo brasileiro em 2018. Depois de dois anos de crise, perder a oportunidade de surfar uma nova onda de consumo e melhora da economia será um erro fatal para o futuro do Brasil. Que a gente saiba trilhar novos caminhos para agradar um público outra vez confiante!